Replaneamento em cenários de emergência

Artigo 08-04-2020
Replaneamento em cenários de emergência
Replaneamento em cenários de emergência
Replaneamento em cenários de emergência
Eventos inesperados trazem diferentes níveis de disrupção às nossas vidas e às empresas. Os transportes públicos não são excepção. E aqui, o impacto pode ser múltiplo-nos passageiros, nos empregados, na receita e no lucro.

Eternamente gratos pelo espírito de entreajuda e foco numa causa comum, estes são momentos em que ferramentas de planeamento de recursos podem também ser um precioso apoio para um replaneamento rápido e optimizado.

O nosso produto CREWS pode contribuir para isso, nomeadamente ao fornecer apoio aos operadores ferroviários para rapidamente reagirem a, por exemplo, relatórios meteorológicos que prevêem condições climatéricas severas para o dia seguinte. Este tipo de eventos têm um impacto profundo na operação e, por isso, os operadores ferroviários recorrem frequentemente à opção de operar um horário com um número reduzido de viagens de comboio. Estes eventos de curto prazo requerem, geralmente, mudanças profundas no que foi planeado inicialmente e um período muito curto de tempo para realizar essas mesmas mudanças a tempo de publicar o novo plano para a equipa que está planeada para executar o trabalho no dia seguinte.

O conteúdo que se segue faz parte de um artigo que descreve como os Caminhos-de-ferro Holandeses (NS) ajustam rapidamente os planos operacionais para o dia seguinte e como isso só pode ser alcançado com suporte algorítmico, em particular com o fornecido pelo CREWS da SISCOG para a parte relacionada com a tripulação, nomeadamente maquinistas e revisores. O artigo é co-escrito por Pieter-Jan Fioole, Dennis Huisman, Gábor Maróti e Ricardo L. Saldanha, e aborda a optimização do planeamento para o dia seguinte em cenários de emergência nos Caminhos-de-ferro Holandeses (NS).

 

Objectivos

Depois do horário ser reduzido e os planos do material circulante devidamente ajustados, o objectivo era:

  • minimizar o custo total dos turnos e
  • minimizar o custo total das tarefas que ficaram por cobrir


Solução

O optimizador baseado no CREWS, com cerca de 8.000 tarefas a serem planeadas, conseguiu encontrar, em apenas 2 horas de tempo de execução, soluções:

  • with com custos operacionais aceitáveis,,
  • com 7% da tripulação em stand-by (o que pode ajudar a resolver disrupções no dia seguinte).

 

 

ARTIGO: Horário reduzido (de Inverno) na Holanda: Processo, Modelos Matemáticos e Algoritmos

Resumo

Nos Invernos entre 2009-2012, condições climatéricas severas fizeram com que a rede ferroviária Holandesa ficasse algumas vezes fora de controlo: as operações pararam completamente e quase nenhuma informação foi fornecida aos passageiros. Para evitar estas situações, um horário reduzido é operado em dias com condições climatéricas severas. O horário reduzido em cerca de menos 20% de comboios é preparado no dia anterior ao dia da operação, com base nas últimas previsões meteorológicas. O horário reduzido, assim como o respectivo material circulante e planeamento da tripulação, são preparados em 16 horas. Este artigo discute o processo da geração de um horário reduzido e os algoritmos (baseados em modelos matemáticos) para construir planos ajustados de material circulante e pessoal. Esses algoritmos estão implementados no software TAM para planeamento de material circulante e no CREWS para planeamento de tripulação. Desde 2012, esse processo foi aplicado cerca de 20 vezes.

 

Artigo completo aqui (em Inglês).